Franquias baratas são oportunidade para o empreendedorismo

Franquias baratas são oportunidade para o empreendedorismo

Para quem procura uma renda extra ou um novo caminho profissional, as franquias baratas e lucrativas para cidades pequenas são ótimas oportunidades.

As possibilidades para ampliar seu campo de atuação, sair da busca por vaga de emprego e partir para o empreendedorismo são grandes, principalmente para quem está motivado a seguir uma nova carreira.

Para uma franquia ser lucrativa logo de cara, você deve buscar por oportunidades de baixo investimento inicial e de alta rentabilidade, assim o empreendedor novato pode começar com pouco dinheiro e ir partindo para ampliar seu negócio ao longo do tempo, juntamente com o aumento de sua lucratividade.

Entre as principais opções para quem quer ganhar dinheiro com uma franquia barata está o mercado de alimentação, esta área está sempre ativa e pede pouco investimento, mas a concorrência é alta, então o empresário precisará de muita criatividade na hora de atrair o cliente, estudar marketing ajudará nesse processo.

Franquias baratas de alimentação saudável

Um dos maiores e mais importantes segmentos do sistema de franchising, o setor de Alimentação apresentou um crescimento de 5,5% em seu faturamento e a variação do ticket médio das redes de alimentação foi de 7,9% entre 2015 e 2016. Os dados fazem parte da 11ª Pesquisa Setorial de Food Service divulgada pela ABF – Associação Brasileira de Franchising.

O levantamento indicou, ainda, que entre 2015 e 2016 houve um aumento de unidades franqueadas, cuja variação positiva foi de 2,9% – passando de 20.457 para 21.046 pontos de venda. Já o número total de unidades do segmento Alimentação teve uma ligeira alta, de 1,1%, somando 31.064 pontos de venda no País.

Entre as marcas pesquisadas pelos tipos de culinária e de serviço, predomina o serviço rápido tradicional, no qual é muito utilizado pelas redes de culinária japonesa, chinesa e outras asiáticas (40%). Como exemplo, a rede Jin Jin, tradicional rede de culinária asiática com mais de 25 anos no mercado, opera predominantemente em shopping centers, e oferece aos clientes o formato buffet na praça de alimentação e também conta com o modelo JIN JIN Sushi, quiosque também em shoppings, hipermercados, galerias, aeroportos, etc.

A rede conta com 78 lojas em operação, em 11 estados e está em plena expansão. A expectativa é chegar ao final do ano com crescimento de 15% tanto em unidades como em faturamento.

Setor de franquias registra avanço

O mercado de franquias brasileiro registrou um crescimento nominal de 6,8% no segundo trimestre deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado. O faturamento de abril a junho passou de R$ 35,180 bilhões para R$ 37,565 bilhões. É o que mostra a Pesquisa Trimestral de Desempenho do Franchising divulgada hoje pela ABF – Associação Brasileira de Franchising. Embora o índice registrado no segundo trimestre de 2016 (crescimento de 8,1%) seja maior do que o deste ano, considerando-se a inflação (o IPCA acumulado de 12 meses foi de apenas 3%), o resultado deste ano foi superior, apontando ganhos significativos frente um panorama macroeconômico ainda desafiador. Considerando-se períodos mais longos, de 6 e 12 meses, nota-s e que o setor mantém um ritmo de crescimento nominal moderado na casa dos 8%.

A ABF atribui este desempenho à melhora de alguns indicadores macroeconômicos, como a queda da inflação e expansão do crédito às famílias, à projeção de tímido crescimento do PIB em 2017, e fatores pontuais, como o saque das contas inativas do FGTS, associados à busca incessante do setor de franquias por mais eficiência, novos mercados e por reconquistar o consumidor. Para o presidente da ABF, Altino Cristofoletti Junior, “paulatinamente, o setor vem fortalecendo seu crescimento em termos reais. Isso é muito importante visto que no período enfrentamos um mês de deflação e severas incertezas políticas. Esse desempenho mostra a capacidade de reinvenção do setor e os benefícios da operação em rede”.

“O desempenho positivo do setor e o relativo aumento no número de empregos demonstram que as empresas do franchising seguem uma trajetória de recuperação. Observamos que as redes continuam focadas em obter ganhos de eficiência na gestão, fazendo mais com menos, investindo na multicanalidade, em novas estratégias comerciais, enfim, atentas aos movimentos do mercado para responder rapidamente aos desafios desse período difícil vivido pelo País”, declara Cristofoletti. Ainda segundo o presidente da ABF, esse quadro associado às projeções do mercado para o ano de 2017, com crescimento do PIB em 0,34% e inflação abaixo do centro da meta, em 3,45%, reforçam a trajetória atual e a manutenção da projeção de crescimento do setor este ano que, de acordo com a ABF, deve ficar entre 7% e 9%.

Quanto ao movimento de abertura e fechamento de unidades, o levantamento sugere um ritmo moderado. No 2º trimestre deste ano, foram abertos 3,2% pontos de venda na comparação com o mesmo período do ano passado, totalizando 144.074 unidades de franquia em operação no País, e fechadas 1,3%, resultando num saldo de 1,9%. Para Cristofoletti, “estamos passando por um período de maior conservadorismo na expansão, mas é ainda muito considerável o número de redes e empreendedores que continuam em movimento, tanto visando ganhos de curto prazo, como ocupando mercado para quando a economia se recuperar”. Nesse sentido, os multifranqueados (franqueados com duas ou mais unidades de uma mesma marca) e franqueados multimarcas (com unidades de redes diferentes), associados ou não ao repasse de unidades, têm sido cada vez mais importantes para a manutenção do dinamismo do setor.

Em termos de número de redes, houve uma queda de 2% em relação à dezembro de 2016. Atualmente, temos 2979 redes atuando no Brasil. Além da diminuição da atividade econômica, um fator que tem contribuído para este movimento é que redes de menor porte, ao promover adequações ao atual cenário, acabam focando suas operações próprias. No entanto, novas marcas continuam a chegar ao setor, brasileiras e estrangeiras.

Segmentos

Entre os segmentos, a maior variação de receita trimestral foi registrada em Hotelaria e Turismo, com 10,1% de crescimento. O desempenho foi favorecido pela recuperação do segmento em relação ao ano passado, bastante impactado pela crise. Em segundo lugar ficou Saúde, Beleza e Bem-Estar (9,4%), favorecido pelo aumento da procura por clínicas populares, pelo investimento de grandes redes na multicanalidade, entre outros fatores. Na terceira posição, está o segmento de Casa e Construção (8,6%), demonstrando uma leve recuperação frente ao mesmo período do ano passado, a exemplo do que ocorreu com o segmento de Hotelaria e Turismo. A seguir vem Entretenimento e Lazer (7%) e Comunicação, Informática e Eletrônicos (6,6%).

Deixe seu comentário:

+ Franquias

Tags:, , , , , , , ,